Smith chegou

Sempre gostei de Matrix. No meu ponto de vista toda a história tinha muita lógica. De um lado, um mundo virtual onde todos estão conectados e vivemos nosso dia-a-dia realizando tudo o que fazemos no mundo real. Uma vida paralela, digital. De outro, a parte louca mas aceitável: homens usados como fonte de energia; a realidade como simples impulsos eletromagnéticos traduzidos pelo cérebro; interconexão e pessoas ligadas através de hardware e software; acesso a rede global de informações, etc. Quando o filme foi lançado eu já trabalhava fazia alguns anos com a Internet, por isso tudo [...]