Morrer é humano, renascer é divino. O segredo do mindset.

Tenho muitas histórias para contar. Algumas, segundo algumas pessoas que as ouviram, alcançaram status de “lenda” pois não existem fotos para comprovar o que conto. Muitas delas divertidas, outras nem tanto. Então, como aqui é lugar de discutir o empreendedorismo, me permitam falar de uma das coisas – e talvez até introduzir uma história, sem me aprofundar demais - mais importantes para o empreendedor: o mindset.
Voltar Publicado em: 20/11/2019
Visualizações: 1726

Tenho muitas histórias para contar. Algumas, segundo algumas pessoas que as ouviram, alcançaram status de “lenda” pois não existem fotos para comprovar o que conto. Muitas delas divertidas, outras nem tanto. Então, como aqui é lugar de discutir o empreendedorismo, me permitam falar de uma das coisas – e talvez até introduzir uma história, sem me aprofundar demais - mais importantes para o empreendedor: o mindset.

Quando eu tinha 19 anos descobri o tal mindset. Não o conhecia, formalmente, até alguns anos depois, lá perto dos anos 2000. Para simplificar, poderia dizer que o mindset é o seu padrão de programação mental. O conjunto de crenças profundas que você estabeleceu (conscientemente ou inconscientemente) e que seta a sua interface com a vida. Como você percebe o mundo, como você decide a respeito dele e como você reage em momentos difíceis, tudo emana do mindset.

A experiência da descoberta foi conduzida por um livro que mudou minha vida. A Mágica de Pensar Grande, de David J. Schwartz me ensinou, de certa forma, a começar a viver (do meu jeito).  Por isso, recomendo.

Até hoje sei os princípios, como todo o ávido estudante do assunto.

  • Creia no sucesso e terá êxito;
  • Evite a doença da desculpite (meu preferido);
  • Habitue-se a agir;
  • Tenha um objetivo para ajudá-lo a progredir;
  • Torne suas atitudes suas aliadas;

Entre muitos outros.

Certa vez (lá vai a primeira pequena história), faltavam mais ou menos 5 ou 10 minutos para a locadora de DVDs fechar. Estava eu em casa, a umas 10 quadras do local, quando lembrei que tinha um filme para entregar (isso pode parecer até piada em tempos de Netflix). Então começou a batalha mental:

  • "São só R$2,00, deixa para amanhã. Porque vai ir lá, vai estar fechado mesmo. Se você for, vai ter que voltar com cara de bobo. Está tão bom aqui no sofá vendo TV".
  • "Não é pelo dinheiro, você tem que ir para provar que você consegue. Será uma vitória, agora que foi desafiado pela desculpite. Imagina a satisfação, imagina. Você consegue".
  • "Mas que consegue nada, são 10 quadras em 5 minutos. Deixa de ser bobo, tu já está velho demais para isso. Ninguém vai ver, ninguém vai te julgar".
  • "Exatamente, é sozinho que se prova o caráter. Deve ter alguém que reservou o filme e tu vai prejudicá-lo. Vamos! Agora!"

E saí. Já havia perdido mais uns 2 minutos com a guerra, mas fui. Corri como um louco, sem parar (coisa que a muito não fazia), com o DVD na mão. Não dei tchau para ninguém em casa, passei voando pela porta. Quando cheguei estavam fechando a porta. Gritei da rua: "espera". Fui recebido com um sorriso.

Você já viu um louco na rua? Um daqueles que dizem que o mundo vai acabar ou qualquer outro absurdo sem sentido? Bom, esse era eu na volta. Eu gritava para mim mesmo: “Você é o cara”, “Você consegue”, “Ninguém pode te parar”, “Você é um vencedor”, batia no peito enquanto todos olhavam assustados, etc, etc, etc.

Boas lembranças.

Mas voltando ao tema, ao longo da minha carreira vi muitas empresas morrerem. Tanto as da "velha economia” como também, aos milhares, as da "nova economia” – que tinham vindo, então, para modificar o mundo. Também vi profissionais morrerem. Normalmente eles morrem a míngua, sem entender o que aconteceu. Como as empresas, hoje são desejados, motivados e entregam. Amanhã tornam-se ruins: desalinhados, improdutivos, desagregadores, desmotivados e desmotivadores. Digo que ambos sofreram do mesmo mal.

Nada mais certo do que dizer que “morrer é humano”.

Pois o mindset correto permite que você se posicione, adapte e se reinvente. Após as crises, como a da atualidade, eis que ressurgem como saídos de uma guerra. Estão aos farrapos, mas mais fortes e experientes. São empresas modernizadas, estruturadas, enxutas, prontas para uma nova rodada de luta e avanço. Outra etapa, outro ciclo. São pessoas que conseguem superar não apenas as dificuldades do ambiente mas também as próprias fraquezas. Elas levantam, estudam, fortalecem-se em algo maior, talvez o outro, talvez o sonho. Elas reocupam o seu espaço, voltam a definir o seu destino, remodelam a sua alma.

É preciso força para continuar em frente, para continuar avançando e lutando apesar dos desafios. O mindset não pode ser fixo, ele precisa se adaptar, se renovar. Você precisa se reprogramar mentalmente a cada etapa. Guarde os conceitos fortes, positivos, revise todos os outros. Como um copo d’agua, se há sujeira, o único jeito de limpar é botar mais e mais água limpa.

Novos produtos, novos mercados, novos processos, novos desafios. Apesar das dores da batalha, da fadiga ou da morte, vejo o relato regular de empreendedores que encontram a energia para renascer das cinzas e iluminar quem vem atrás. São modelos para uma geração que precisa inspirar-se. Sonhadores, muitas vezes heróis incompreendidos.

Minha dica de hoje é que avalie e modele o seu mindset. Leia mais na Internet sobre isso. Pesquise e aprofunde-se. Vai mudar a sua vida.

Atualmente há um novo best seller tratando do assunto : MindSet, The new Psychology of Success (não há versão em português). 

Nada mais certo do que dizer que “Renascer é Divino”.

Pense ...

#emfrente



Voltar